Pesquisar este blog

Carregando...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Bergoglianos e modernistas


Equiparar Jorge Bergoglio, o elegante Braz de Elvis, Maradiaga, Baldisseri ou Kasper a gente séria como Blondel, Guitton, De Lubac ou Bergson é um insulto grosseiro e imperdoável a esses últimos.

Numa crise sem precedentes como a de hoje, é preciso muita luz para poder enxergar o nó a desatar. E pôr todos esses nomes no mesmo saco dos "modernistas" é apagar todas as luzes.

Cardeal Baldisseri: o que importa a opinião de Jesus Cristo?


O secretário do Sinédrio convocado por Jorge Bilderbergoglio para destruir a família, Lorenzo Baldisseri, ao atacar o dogma da indissolubilidade do casamento, decretada solene e definitivamente por Nosso Senhor Jesus Cristo, veio com a seguinte pérola (aqui):

Só porque uma compreensão particular (!!) existe há dois mil anos não quer dizer que não possa ser questionada.

Entenda-se: para nós, bilderbergoglianos, pouco importa se uma doutrina foi ensinada pelo Verbo Divino ou por seus Apóstolos.

Eis o grau de boçalidade a que se chegou.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Governo francês proíbe filme católico. E a liberdade de expressão??



Depois do carnaval midiático do "Je suis Charlie" e da luta pela "liberdade de expressão" na França, a realidade: a França é uma tirania anticristã, cuja última preocupação é a liberdade de pensamento.

Prova (uma entre mil): o Ministério do Interior proibiu a exibição do filme L'Apôtre, da cineasta católica Cheyenne-Marie Carron. O filme conta a história da conversão de um muçulmano ao catolicismo (aqui).

Ou seja, na França é permitido levar crianças para ver filmes de zoofilia, mas o adulto francês não pode ver a conversão de um imã ao catolicismo.

A França é realmente Charlie.

No vídeo acima, a diretora fala do filme e do boicote sistemático de que é alvo pelo governo maçônico francês.



Governo esse que, escusado é dizer, mantém excelentes relações com Jorge Bergoglio, como prova a foto acima.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Profanação em massa em Manila: o Corpo de Cristo ou batata frita?



Profanação maciça da Hóstia em happening eucarístico realizado nas Filipinas para honra do infinito ego de Jorge Bilderbergoglio. Após o evento, foram encontradas muitas hóstias consagradas caídas na lama.
Ad maiorem Bergoglii gloriam.

Kyrie eleison, Christe eleison, Kyrie eleison.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Adoniran ou Valéry?




Confesso que às vezes tenho dificuldade para distinguir entre Adoniran Barbosa e Paul Valéry.

Bergoglio criminoso: o caso da corrupção em Buenos Aires

Em sua mais recente e catastrófica página de magistério aeronáutico, Bilderbergoglio, para edificação dos fiéis, contou um caso que lhe ocorreu quando bispo auxiliar em Buenos Aires.

Alguns funcionários públicos se aproximaram para lhe propor uma treta: doariam um bom dinheiro à Igreja, dinheiro este que, em troca, seria rachado com eles.

Caso claríssimo de crime de corrupção.

Qual era o dever de Berggy, como bispo, diante de um caso desses? Admoestar os meliantes, pelo grave pecado que cometiam. E como cidadão, denunciá-los às autoridades competentes, para que tomassem as devidas medidas penais e administrativas. Deixar de fazer ambas as coisas é pecar por omissão e tornar-se cúmplice do crime.

Mas nenhuma das duas coisas sequer passou pela cabeça do antipapa. Ficou em dúvida entre chutar a bunda dos safados - poeticamente definida como "ali onde o sol nunca bate" - ou "dar uma de Migué". Foi o que fez. Alegou um problema técnico de recibos para não aceitar a proposta criminosa. E se despediu dos bandidos em paz e amizade.

Eis a moral bergogliana, à beira do código penal. Eis como ele pretende aplicar sua política de combate e corrupção.

Portanto, senhores corruptores, temos boas notícias para vocês. Podem abordar os administradores vaticanos, propondo suas vigarices, sem correr nenhum risco. O máximo que pode acontecer é que lhes peçam recibo. Mas até para isso se pode dar um jeitinho, usando de ternura e misericórdia. Ordens do patrão.





quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tempos vergonhosos e tenebrosos

Do discurso sincretista de Bilderbergoglio no Ceilão:

"Houve tempos obscuros na história da Igreja, não devemos ter vergonha de dizê-lo".

É verdade. Mas se eu fosse ele, teria vergonha, sim. Não de dizer isso, mas de ser o mais tenebroso tempo da Igreja.

Dupla personalidade ou cinismo? Ou os dois?


Dois dias atrás, no magistério aeronáutico da viagem de volta das Filipinas:

Creio que o número de três filhos por família, que você menciona, segundo o que dizem os técnicos, é o número importante para manter a população. (...) A palavra chave para responder, que a Igreja usa e eu também, é paternidade responsável, e cada pessoa no diálogo com seu pastor busca como alcançar tal paternidade. O exemplo que mencionei há pouco da mulher que esperava o oitavo filho e tinha sete nascidos de cesárea, isso é uma irresponsabilidade. "Não, mas confio em Deus..." dizia. Sim, Deus te dá os meios, mas alguns creem - desculpem a expressão - que para sem bom católico devemos ser como coelhos. Não. Paternidade responsável: para isso existem na Igreja grupos matrimoniais, os especialistas nessas questões e há os pastores, e eu conheço tantas saídas lícitas, que ajudaram para isso.

Ontem, na audiência geral:

Dá consolo e esperança ver tantas famílias numerosas que acolhem os filhos como um verdadeiro dom de Deus. Eles sabem que cada filho é uma bênção. Ouvi dizer que as famílias com muitos filhos e o nascimento de tantas crianças estão entre as causas da pobreza. Parece-me uma opinião simplista.

Não é à toa que os jesuítas tempos atrás deram a Berggy o diagnóstico de loucura.
É muito triste ver a Igreja de Cristo sujeita a isso.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Culture Wars encore

Ainda no número de janeiro de Culture Wars, duas pérolas na seção Bullets:

Momento didático: Algumas das declarações e ações do papa Francisco sugerem que sua intenção é forçar os católicos a uma compreensão mais profunda da falibilidade papal.

Em The Lost Gospel, Simcha Jacobovici e Barrie Wilson defendem a ideia de que a Virgem Maria original era a mulher de Jesus, Maria Madalena, com quem ele tinha dois filhos. A queles que creem que Jesus nunca existiu vão achar convincentes os argumentos de Jacobovici e Wilson.

Espiritualidade bergogliana: chutes na bunda, coelhos e o Evangelho como mera teoria

Em mais uma entrevista dada num avião, lugar privilegiado de seu magistério aeronáutico, Jorge "nota de três" Bergoglio ironizou os corajosos católicos de família numerosa, que, segundo ele, procriam como coelhos; falou, com sua ternura e delicadeza costumeiras, em chutar os corruptos "ali onde o sol nunca bate"; e, cereja do bolo, classificou o Evangelho como "teoria", coisa para sonhadores, que não deve ser levada a sério na prática...

Instalou-se na cabeça da Igreja um câncer chamado Jorge Bergoglio, que se alastra rapidamente.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Bergoglio, Kasper e as heresias



No último número da excelente revista Culture Wars, de E. Michael Jones - que pode ser adquirido aqui - diz Robert Kempson, em seu artigo sobre o Sínodo da Sodomia:

O próprio Kasper contou uma anedota reveladora durante uma entrevista pública na Fordham University, em maio de 2014. Disse ele que depois de o Papa Francisco ter elogiado publicamente o seu livro [sobre a misericórdia], um "cardeal mais velho" insistiu: "Santo Padre, Vossa Santidade não deve recomendar esse livro! Ele está cheio de heresias!" O Papa sorriu enquanto falava com Kasper e tranquilizou-o: "Entrou por uma orelha e saiu pela outra."

Completamente surrealista: a doutrina entra por um ouvido do papa e sai pelo outro, e ele declara isso.
Sinceramente, tenho dificuldades para imaginar como ainda seria possível defender que esse boçal seja o papa.


"Teólogo" bergogliano é novo participante do Big Brother Brasil

Chama-se Marco Marcon, ex-campeão de pôquer e formado em "teologia" na PUC do Paraná. (aqui)
Esperamos agora que as madres superioras dos conventos bergoglianos, no espírito da teologia da peruca do elegante dom Braz de Elvis, se apresentem para testes de dançarinas do Faustão. Ad maiorem Bergoglii gloriam.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Diário de Sodoma


Outro dia, caminhando pela Paulista, vi um casal heterossexual de mãos dadas.

I love you ou Ave Satanas?


Dizem que o gesto significa "I love you" no vocabulário americano para surdos-mudos.
Mas quanta gente sabe disso? E quantas vão confundi-lo com o símbolo satanista, muitíssimo mais conhecido? Seria casual a semelhança? Não seria de esperar um pouco mais de prudência da parte de alguém que se autoproclama papa? E por que tantas ambiguidades, sempre no sentido de desafiar a doutrina revelada por Deus e custodiada pela Tradição? 


Princeps gloriosissime cæléstis milítiæ, sancte Michaël Archángele, defénde nos in praélio advérsus príncipes et potestátes, advérsus mundi rectóres tenebrárum harum, contra spirituália nequitiæ, in cæléstibus. Veni in auxílium hóminum; quos Deus ad imáginem similitúdinis suæ fecit, et a tyránnide diáboli emit prétio magno. Te custódem et patrónum sancta venerátur Ecclésia; tibi trádidit Dóminus ánimas redemptórum in supérna felicitáte locándas. Deprecáre Deum pacis, ut cónterat sátanam sub pédibus nostris, ne ultra váleat captívos tenére hómines, et Ecclésiæ nocére. Offer nostras preces in conspéctu Altissimi, ut cito antícipent nos misericórdiæ Dómini, et apprehéndas dracónem, serpéntem antíquum, qui est diábolus et sátanas, et ligátum mittas in abyssum, ut non sedúcat ámplius gentes. Amen.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

1984... Bons tempos aqueles!

Depois do 11 de setembro em menor escala de Charlie Hebdo, o governo mundial reúne-se em Paris com pompa e circunstância para celebrar o direito à blasfêmia, cláusula pétrea da Declaração universal dos direitos diabólicos. Pois a blasfêmia não é um direito do homem, mas do diabo, obviamente. Ele que é mais do que nunca o príncipe deste mundo.

O órgão oficial do governo mundialista é um jornaleco humorístico podre e corrupto.
Não é à toa: a humanidade caminha a passos largos para se transformar numa piada de mau gosto.

1984 já vai longe... Bons tempos!

domingo, 11 de janeiro de 2015

Bergoglio e a evangelização pela camiseta

A pregação do evangelho é uma solene burrice, disse com sua habitual sutileza Jorge Bilderbergoglio há algum tempo. Coisa de criptolefebvrianos e neopelagianos. A verdadeira evangelização, aquela que é realmente efetiva, misericordiosa, terna e criativa tem sua essência em posar para as câmeras com uma camiseta nas mãos.

Pode ser até que ele tropece um pouco com as citações bíblicas, os dogmas, as definições, essas bobagens pré-conciliares e reacionárias, mas ninguém pode negar que com a camiseta nas mãos, Berggy é insuperável!

E pensar que nem os Apóstolos, nem os Padres da Igreja, nem os Doutores, nem os Concílios, nem os Papas tinham pensado nisso! Esses criptolefebvrianos burros e de coração duro!

É uma nova era que desponta para a igreja.

Mas atenção: não vá o leitor imaginar que as camisetas sejam a única forma de evangelização misericordiosa, criativa e terna dentro do bildebergoglismo. Não. Temos outra igualmente válida, só que ainda mais elegante: é a evangelização pela peruca, do nosso heliogabálico Dom Braz de Elvis.



A camiseta é o fundamento de tudo, sem dúvida. Isso é inquestionável. Mas uma bela peruca também é de grande utilidade espiritual no elegante hospital de campo bergogliano.

Abaixo, alguns momentos inesquecíveis da pregação camisetária bergogliana.































quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Bomba: jornal da Conferência Episcopal Italiana confirma que uma conjuração forçou Bento XVI a renunciar


Como este blog tem proclamado há vários meses  - voz que clama no deserto -, a existência de uma conjuração vaticana para depor Bento XVI foi confirmada hoje por ninguém menos do que o diretor do jornal Avvenire, órgão dos bispos italianos. É o que se pode ler no blog de Antonio Socci (aqui).

Diz Marco Tarquinio à página dois de seu jornal que há "ambientes que, pelos costumeiros motivos de poder e de prepotência, traíram e conspiraram para eliminar o papa Ratzinger, embora reconhecendo-o 'fino teólogo', e o forçaram à renúncia".

Ora, a renúncia papal não pode ser forçada. Segundo o Direito Canônico, para ser válida, ela tem de ser absolutamente livre.

Note-se que Tarquinio é fanático defensor de Bilderbergoglio, o que transforma essa afirmação numa prova cabal do crime.

Se ainda havia alguma dúvida sobre a legitimidade ou não da eleição de Bergoglio, ela acabou hoje.

Bergoglio é um impostor,

O papa reinante é Bento XVI.

Viva o Papa! Viva Bento XVI!!


domingo, 4 de janeiro de 2015

Leonardo Boff sai em defesa do amigo Bergoglio


Não podia dar outra. O teólogo oficial da Nova Ordem Mundial, Leonardo Boff,  sai em defesa do papa da Nova Ordem Mundial, Jorge Bilderbergoglio. Os dois xodós da grande mídia agora juntos contra o mesmo inimigo: a Igreja de Cristo.

O encontro dos dois super-heróis da anti-Igreja se deu nas páginas de um notório blog bilderbergogliano, Religión Digital. Há versão francesa com os comentários pertinentes de sempre em Benoît et moi.

Entre as pérolas, Boff compara os papas aos imperadores romanos pagãos, fala dos inevitáveis e caluniosos sapatos "Prada" de Bento XVI (no pior estilo Judas x Madalena), acusa os católicos de "cristomonismo" (sic), ou seja, só pensarem em Cristo (taí um defeito grave e indesculpável!), exalta a falida igreja latinoamericana como exemplo para o mundo (só se for exemplo do que não fazer), e leva às nuvens Lutero,  como precursor de Berggy, desejando que a sede da Igreja deixe de ser Roma (para ser onde?).

Note-se que logo em seguida à eleição, Boff, o defroqué, já dava declarações à imprensa (aqui) cantando as pedras do que iria acontecer no governo de Berggy, previsões que se mostraram surpreendentemente certeiras vindas de uma mente obscura e obtusa como a do herético profissional franciscano.

O que mostra que Boff já na época estava por dentro dos segredos dos círculos que derrubaram Bento XVI e guindaram Bergoglio ao Poder. Tutti amici, tutti buona gente, tutti Cosa Nostra.

Está mais claro do que o sol que Berggy é o papa dos inimigos de Cristo.

Falta só quem de direito assumir suas responsabilidades e acabar com essa farsa.

sábado, 3 de janeiro de 2015

O hilariante e deprimente bispo de Assis


No site bilderbergogliano exaltado Religión Digital, um texto hilariante do bispo de Assis, na Itália, Domenico Sorrentino.
O prelado, que se perde nas mais adocicadas bajulações a Berggy, atribui as críticas ao seu querido chefinho feitas pelos internautas católicos a... adivinhem.

À alta finança internacional e à grande imprensa!!!!!!!!!! Unidos aos católicos tradicionais contra Berggy, o amigos dos pobres!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Desde os primeiros compassos do pontificado, ao ouvi-lo reivindicar em tom vibrante a causa dos pobres - na realidade, no sulco da mais clássica doutrina social da Igreja - se ergueram lobbies da finança mundial torcendo o nariz, e... os periódicos. (negritos do bispo)

Bilderbergoglio, esse defensor dos oprimidos contra a grande finança internacional e sua mídia fantoche!

Justo quem!

Sinceramente, faz tempo que não ria tanto.
A realidade sempre supera a ficção, principalmente quando Berggy e seus berggyboys estão envolvidos.

Mas o sintoma é gravíssimo. Como é possível que um energúmeno desses possa ter chegado a bispo de Assis - pobre poverello - é algo que não pode deixar de nos entristecer profundamente.

Braz de Elvis e sua peruca em transe místico durante bronca de Bergoglio


Emocionante imagem do nosso elegante cardeal Braz de Elvis em transe místico durante a descompostura passada por Jorge Bilderbergoglio contra os cardeais da Cúria. Clique na foto para ter uma imagem maior e mais rica de tão espiritual momento no Vaticano.
O vídeo de onde foi tirado o fotograma pode ser visto aqui. A mística imagem aparece em 3:46.
Note-se o corte revolto de sua nova peruca, estilo Hey Jude, que promete ser a coqueluche entre os jovens nonagenários bilderbergoglianos neste inverno europeu.
Em seu êxtase contemplativo, Braz de Elvis talvez bolasse alguma nova sacanagem contra os Franciscanos da Imaculada, ou, quem sabe, algum detalhe mais wild em sua nova coleção de perucas primavera-verão para 2015.
Quem sabe?

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

CNBB vai decidir o futuro do celibato sacerdotal na Igreja Católica



Segundo Marco Tosatti, se depender de Jorge Bildebergoglio, o casamento de padres já está próximo (aqui).

Mancomunado com Dom Cláudio "Itamar" Hummes, Berggy vai colocar o futuro do celibato sacerdotal em jogo num "debate" na CNBB. Parece piada, mas é sério. Uma instituição fundada nas palavras de Cristo, confirmada pelo Apóstolo e por dois mil anos de inspiração do Espírito Santo prestes a ser revogada por prelados cuja maior façanha foi a ridícula dancinha na JMJ, para eterno vexame do catolicismo brasileiro.

A escolha da CNBB tem suas razões. Cinquenta anos de teologia da libertação  foram mais que suficientes para não deixar pedra sobre pedra na moral sexual de boa parte do clero brasileiro. O que aumenta em muito a probabilidade de que o plenário dessa melancólica instituição aprove o casamento de padres, com transmissão ao vivo pela Globo e SBT e comentários de Serginho Groismann e Luciana Jimenez.

E aí, como demonstra a o pós-Vaticano II, onde entra um boi, entra uma boiada. Do Brasil para o mundo.

A tática de passar as grandes mudanças de doutrina e pastoral para as Conferências episcopais, contornando as resistências da Cúria, já havia sido antecipada por Berggy numa de suas primeiras entrevistas.

É impressionante como, desde o Habemus Papam no balcão de São Pedro, com seu fatídico "buonasera", Berggy não demonstrou a mínima hesitação em seus atos mais ostentensivos de destruição da Igreja. O que era, porém, de se esperar de alguém que tinha certeza de tomar o voo de volta para Buenos Aires logo depois do conclave, como ele diz. Tudo leva a crer que tudo já estivesse pensado e articulado há muito. A renúncia de Bento XVI e a sua própria eleição podem ter sido tudo para ele, menos uma surpresa.

E, como ninguém faz nada, o bergoglismo se alastra como um câncer pelo corpo de Cristo.

Feliz ano novo.

O absurdo do absurdo


O aborto é a demonstração pelo absurdo do absurdo da revolução sexual.

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Entra Bergoglio, sai Cristo


Segundo o cardeal Barbarin, arcebispo de Lyon, França, a frase que teria garantido a eleição de Bergoglio no conclave de 2013 seria esta, pronunciada em seu discurso no pré-conclave (aqui):

Tenho a impressão de que Jesus tenha sido fechado dentro da Igreja e que bata porque quer sair, quer ir embora.

Não é preciso ser psicólogo profundo para perceber a natureza projetiva dessas palavras: quem estava louco para sair da Igreja não era Cristo, é claro, mas Jorge Bergoglio. Uma vez eleito, resolveu radicalizar a ideia. Em vez de sair, resolveu destruí-la para obrigar todos a saírem.

Resultado: parece que, hoje sim, Cristo Nosso Salvador não quer ficar na Igreja de Bergoglio. A famosa fumaça de Satanás está tão negra e tão espessa, que não dá mais para respirar. É preciso sair.

Mas ir aonde?

Para a Igreja Católica, é claro. Só ela tem palavras de vida eterna. Mas sem Bergoglio.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Bergoglio difama os cardeais defensores da doutrina


Interessante artigo de Benoît et moi,  À la limite de la diffamation, acerca de uma entrevista dada pelo vaticanista francês Nicolas Diat a Le Journal du Dimanche, órgão da mídia bilderbergogliana, sobre a bronca dada por Berggy aos cardeais da Cúria romana.

Nela, afirma Diat que a histórica descompostura está no limite da difamação.

Não acho. Na verdade, ela ultrapassou em muito esse limite.

Senão, vejamos a doença número 8, esquizofrenia existencial, segundo Jorge Bergoglio:

8. A doença da esquizofrenia existencial. É a enfermidade dos que vivem uma vida dupla, fruto da hipocrisia típica do medíocre e do progressivo vazio espiritual que doutorados e títulos acadêmicos não podem preencher. Uma doença que atinge amiúde os que, abandonando o serviço pastoral, se limitam aos trabalhos burocráticos, perdendo, assim, o contato com a realidade, com as pessoas concretas. Criam assim um mundo paralelo só delas, de onde retiram tudo o que ensinam severamente aos outros, e começam a viver uma vida oculta e muitas vezes dissoluta.

Se considerarmos que o universo dos cardeais é bastante limitado; que dentre eles os que se retiraram do serviço pastoral são ainda menos numerosos; e que, nesse subgrupo, os que têm carreira acadêmica brilhante e opiniões rígidas são meia dúzia de gatos pingados, vemos que as pesadas acusações apontam para um número muito restrito de pessoas, e equivalem quase a uma acusação pública pessoal.

Curiosamente, no seleto grupo dos suspeitos, estão dois dos maiores opositores da Grande Avacalhação proposta por Bergoglio no sinédrio contra a família: o cardeal Burke e o cardeal Muller.

Diz que levam uma vida dissoluta. Assim mesmo, na cara dura, sem nenhuma prova.

Isso não é só difamação. É terrorismo.





Qual a religião de Bergoglio?


O bergoglismo é um luteranismo neopentecostal islâmico judaizante pró-gay, rotariano, peronista, comunista e capitalista.
Sem esquecer, é claro, o tango, o futebol, o churrasco, o bom vinho e os demais prazeres da vida.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Cascas de banana e princípio de não contradição


Recentemente, em uma de suas homilias circenses em Santa Marta, Berggy soltou mais uma de suas pérolas:

"Às vezes, quando vejo um cristão muito rígido, penso: Senhor, jogue-lhe uma casca de banana..."

Em meio à cotidiana enxurrada de tolices despejada por Berggy no ventilador da grande imprensa, mais esse pensamento boçal poderia passar despercebido. Mas pelo menos tem ele um mérito: mostra bem a clara contradição entre bergoglismo e catolicismo.

Se o católico vê um pecador, deseja a sua conversão; Bergoglio, quando vê um católico, quer a sua queda.

A e ~A.

Para defender o catolicismo de Bergoglio, hoje, o grande obstáculo é o princípio de não contradição.

Ainda sem resposta as acusações de Antonio Socci



Meses depois de publicado o livro-bomba de Antonio Socci, Non è Francesco, as graves perguntas por ele levantadas acerca da legitimidade da renúncia de Bento XVI e da eleição de Jorge Bergoglio continuam sem resposta.

O máximo que se pode encontrar são argumentos do tipo:

Quem conhece a história da Igreja sabe que houve muitos Papas cuja eleição se deveu a manobras escusas. Querer anular a eleição de Bergoglio por tal razão é ingenuidade e ignorância.

A tal "resposta", que no fundo é só um jeito de mudar de assunto e evitar a pergunta, pode-se objetar que, ainda que possa ter havido maracutaia em eleições anteriores - o que resta por demonstrar, aliás -, isso não invalida as acusações presentes sobre a irregularidade no conclave que supostamente teria elegido Bergoglio. Se assim fosse, para que estabelecer normas para a eleição, se, por motivos históricos, sabemos que vale tudo mesmo? Além disso, não se podem alegar argumentos desse tipo contra uma regulamentação redigida há pouco tempo por João Paulo II, justamente para evitar esse tipo de negociata política revelada recentemente pelo livro The Great Reformer.

Mesmo diante desse vergonhoso silêncio, Antonio Socci não esmorece. Alguns dias atrás publicou um belo artigo sobre a deprimente descompostura passada por Berggy contra os cardeais da Cúria (aqui). Vale a pena ler, mesmo que seja só para sentir, em tempos de apostasia covarde e silenciosa, que ainda há coragem e honestidade intelectual entre os fiéis católicos. Apesar de Bergoglio.